O TRIÂNGULO IMPOSSÍVEL

Inspirados por uma exposição de Escher num congresso de matemática, em 1954, o matemático Roger Penrose e seu pai, o geneticista Lionel Penrose, interessaram-se pelas chamadas figuras impossíveis (o triângulo, a escada etc), e publicaram seus achados numa revista de psicologia britânica, em 1958. O próprio Escher, simultaneamente, começou a criar as suas próprias figuras e transformou a ideia em arte.
Entretanto o título de “pai” das figuras impossíveis é dado ao falecido artista Oscar Reutersvärd, que já as desenhava desde 1934, quando ainda não tinha completado 20 anos, durante suas aulas de latim. Reutersvärd nunca achou que elas teriam reconhecimento artístico e, por isso, não as divulgou até ver o artigo dos Penrose e a obra de Escher.

Esta peça você vê, em geral, como ela aparece acima. Agora tente se posicionar, fechando um dos olhos, para vê-la como aparece abaixo.

O TRIÂNGULO IMPOSSÍVEL

Inspired by an Escher exhibition at a mathematics congress in 1954, the mathematician Roger Penrose and his father, the geneticist Lionel Penrose, became interested in the so-called impossible figures (the triangle, the ladder, etc.), and published their findings in a British psychology journal in 1958. Escher himself simultaneously began to create his own figures and turned the idea into art.

The title of "father" of the impossible figures, however, is given to the late artist Oscar Reutersvärd, who had been drawing them since 1934, when he was not yet 20-years-old, during his Latin classes. Reutersvärd never thought they would have artistic recognition, so he did not release them until he saw the Penrose article and Escher's work.